Festival Brands Like 2018

Screenshot_2017-12-13-11-28-20

Em 2013 fizemos a primeira edição do Festival Brands Like Bands. Era para ser uma “pequena brincadeira”, tanto que nem pensámos muito a sério no nome que íamos dar a este encontro com bandas de empresas… «Olha, fica Festival Brands Like Bands… Siga». Depois do primeiro evento ter corrido tão bem estabelecemos como objectivo fazer mais quatro edições, seriam cinco no total. A quinta edição foi o ano passado. Temos sido desafiados para fazer uma nova edição este ano e desde 2008 nunca recusámos um desafio. Ainda por cima este, que nos tem dado tanto prazer, quer a nós, a quem toca, a quem não toca e às causas, que todos juntos temos apoiado. Na próxima semana vamos ter novidades… Estejam ligados… Ok?

V.º Festival Brands Like Bands

👔 🎸Aí está a quinta edição do Festival Brands Like Bands, uma das melhores edições de sempre.
🎙 🙋Com doze excelentes bandas de empresas, duas bandas de universitários (o futuro das bandas de empresas), dois dias e duas grandes causas a apoiar 😃
 info: http://festivalbrandslikebands.com/
Clica na Imagem -» 📢Partilha -» 🗣Passa a palavra -» E vem fazer a diferença. 😉

BRANDSLIKEBAND_site

 

Innovation Music Challenge – A Inovação na Indústria da Música

IMCA Microsoft Portugal associou-se ao Innovation Music Challenge, uma iniciativa organizada pela Brands Like Bands e pela iMatch, que quer descobrir e distinguir os projetos mais inovadores da indústria musical.

2016 foi um ano vertiginoso para esta indústria a nível global: desde os novos serviços de streaming, que entre si atingiram 100 milhões de subscrições pagas, às bandas que foram forçadas a reformular os modelos de negócio face a esta realidade, passando pelas novas estratégias de comunicação para o lançamento de álbuns. A indústria da música está a sofrer ondas de choque e a reinventar-se e estes foram alguns dos primeiros sinais de crescimento, numa indústria que começou a mudar com a internet desde o início do século, com o aparecimento do Napster.

É neste contexto de inovação permanente, onde os fãs são atores transformadores da forma como se ouve e partilha música, que surge o Innovation Music Challenge, que irá agregar agentes do campo inovação e da indústria musical nacional, apoiado pela Microsoft Portugal, pela Abbey Road Studios e pela Europa Criativa, da União Europeia.

O objetivo é criar valor para toda a indústria através do empreendedorismo e da demonstração de novas ideias nas áreas da Produção, Comunicação, Distribuição e Capacitação.

Para Luís Calado, Start Up Lead da Microsoft Portugal, esta é uma oportunidade para trazer à luz ideias únicas que nasçam num terreno fértil que alia tecnologia, inovação, criatividade e arte.  “A Microsoft tem estado ao lado do empreendedorismo em Portugal em diferentes iniciativas. Nos últimos anos participámos em múltiplos projetos, mas nunca abraçámos uma área criativa como é a música. Esta é uma excelente oportunidade, pois acredito que aliar a tecnologia e a música permitirá ver nascer projetos criativos e inovadores. É com entusiasmo e muita curiosidade que aguardo os projetos que vão estar presentes no Innovation Music Challenge”.

Tomás Archer, da Imatch, defende que “o movimento de inovação que é sentido nas outras indústrias não pode ser ignorado pela musical. Assim, o Innovation Music Challenge é o momento para dar voz ao movimento de empreendedorismo nesta área, e que vai ajudar a criar um novo ecossistema de inovação musical no país. Queremos que o futuro seja apresentado, debatido, criado, num ambiente de partilha, aprendizagem, co-criação e desafio quer para músicos, inovadores, empreendedores ou simplesmente amantes de música”.

Já para Fernando Gaspar Barros, da Brands like Bands, “o ambiente para a inovação e experimentação nunca foi tão vibrante e para nós será também importante analisar a relação entre quem ouve e faz música em Portugal, aferir ideias e massa crítica para os desafios estruturais desta indústria e, à semelhança de outros países, colocarmos na agenda mediática o futuro daquela que é uma das paixões número um das pessoas: a música”.

Baseada na assinatura “The Future is Unwritten”, criada por Joe Strummer, vocalista da banda britânica The Clash, a iniciativa Innovation Music Challenge terá no júri nomes sonantes como Hélio Morais, dos Linda Martini, Fred Ferreira, dos Orelha Negra, Tim – dos Xutos e Pontapés, Roberta Medina, vice-presidente executiva do Rock in Rio, Álvaro Covões, da Everything is New ou Paula Homem, da Sony Portugal. A área da inovação é representada por Luís Calado, Startup Lead da Microsoft Portugal, Jon Eades, Innovation Manager da Abbey Road Studios, entre muitos outros.

O júri avaliará as candidaturas de todos aqueles que queiram participar nesta revolução – desde amantes de música a empreendedores -, com novas ideias para apresentar. O prazo para a entrega de candidaturas termina dia 21 de abril, estando o anúncio dos finalistas marcado para dia 1 de maio e a final marcada para 6 de maio na sede da Microsoft Portugal.

As inscrições deverão ser feitas através do site – http://www.innovationmusicchallenge.com/

MARCAS INSPIRAM-SE NOS ROLLING STONES PARA O REGRESSO AO TRABALHO

Setembro é normalmente o mês que marca o fim das Férias e dos Festivais. Mas a tradição já não é o que era desde que em 2013 surgiu o Festival Brands Like Bands, um Festival     que marca o regresso ao trabalho e que junta várias marcas no mesmo palco, como são os casos este ano da SISCOG, Banco Popular, Advance Care, Affinity, Cision, Siemens, Liberty Seguros, AMT-Consulting, ANA-Aeroportos de Portugal, CEiiA, Grupo Impresa (Norte), ROFF, Mercer e PLMJ- Soc. de Advogados.

Para o lançamento da quarta edição deste Festival de Bandas de Empresas, a Ivity Brand Corp e a Brands Like Bands inspiraram-se na banda de Mick Jagger, Keith Richards e C.ª: «Mais do que um símbolo, reconhecido em todo o Mundo, o que nos inspirou foram os próprios Rolling Stones que, não obstante a idade dos seus membros, são um exemplo de energia, vitalidade e irreverência, que é o que queremos passar neste regresso de muitos ao trabalho.» – comentou Fernando Barros, do Festival Brands Like Bands.

A outra grande novidade este ano é a criação do projecto «Filhos do Rock», que conta com o apoio da Rádio Comercial e dos CTT – Correios de Portugal que, juntamente com as empresas participantes no evento, colaboram com instituições de apoio a crianças em cada dia do Festival de Bandas de Empresas. As causas apoiadas, que terão integralmente todas as receitas de bilheteira e a gestão da mesma, serão a Ajuda de Berço (1de Outubro) e Casa dos Rapazes (8 de Outubro), em Lisboa. E a Raríssimas, no Porto (15 de Outubro).

Assim, o Festival Brands Like Bands, o único Festival de Bandas de Empresas do Mundo, irá decorrer, sempre aos sábados, nos dias 1 de Outubro, dia mundial da música, e 8 do mesmo mês, no Estúdio TimeOut, do Mercado da Ribeira em Lisboa. E dia 15 de Outubro no Hard-Club, no Porto.

Programa:

– Lisboa, 1 de outubro (sábado), Estúdio TimeOut  // Mercado da Ribeira, 17 h

 – Lisboa, 8 de outubro (sábado), Estúdio TimeOut // Mercado da Ribeira, 17 h

– Porto, 15 de outubro (sábado), Hard-Club, 20 h

22h50 – Liberty Big Band – Liberty Seguros

EMPRESAS DÃO À LUZ “FILHOS DO ROCK”

3Com o nome inspirado na série da RTP, que abordou a explosão do rock em Portugal, a Brands Like Bands, com a colaboração de várias empresas, desenvolveu o projecto «Filhos do Rock» que passa por cooperar com instituições de apoio a crianças em cada dia do Festival de Bandas de Empresas, o Festival Brands Like Bands. As causas apoiadas serão a Ajuda de Berço (1de Outubro) e Casa dos Rapazes (8 de Outubro), em Lisboa. E a Casa do Vale, no Porto (15 de Outubro).

Com um valor de entrada de 3 euros, a bilheteira será integralmente destas causas, que irão gerir a mesma. Havendo igualmente a recolha em cada uma das empresas de material de que estas associações de apoio necessitam.

As marcas aderentes e que também já confirmaram presença no palco do Festival das Bandas de Empresas são: SISCOG, Banco Popular, Advance Care, Affinity, Cision, Siemens, Liberty Seguros, AMT-Consulting, ANA-Aeroportos de Portugal, CEiiA, Grupo Impresa (Norte), ROFF, Mercer e Multitempo.

O Festival Brands Like Bands, o único Festival de Bandas de Empresas do Mundo, que realiza este ano a sua quarta edição consecutiva, vai realizar-se no Mercado da Ribeira (Estúdio Time Out), sempre aos sábados, durantes as tardes e noites de 1 de Outubro, dia Mundial da Música, e no dia 8 do mesmo mês. E no dia 15 de Outubro, também um sábado, no Porto, no Hard-Club, antigo Mercado Ferreira Borges.

Velhos são os trapos

iloveyouso (21)

Numa semana em que Iggy Pop aos 69 anos vira o MEO Arena ao contrário, no Super Bock Super Rock, e Mick Jagger, dos Rolling Stones, anuncia que vai ser pai aos 72 anos pela oitava vez, podemos dizer que, de facto, «velhos são os trapos».

Este é o cenário que hoje caracteriza os boomers, além do seu poder financeiro estão a redefinir igualmente aquilo que significa envelhecer, enquanto estilo de vida e não como a espera de uma morte anunciada.

Os boomers cresceram na era do consumismo e estão mergulhados nele. A sua dimensão populacional ajudou a definir o consumo, tendências e marcas, re-inventando mundialmente cada fase da sua vida. Nos EUA estão prestes a ser metade da população, representando 70% do rendimento disponível do País. Em Portugal são uma boa parte do suporte financeiro de muitas famílias, estando cada vez mais ativos nas redes sociais, dependendo fortemente da tecnologia, gastando cada vez mais em viagens, em animais de estimação, entretenimento e fitness.

Durante muito tempo foi desenvolvida a ideia no marketing que o foco nos jovens construiria uma fidelidade à marca durante décadas. Claro que essa “filosofia” arrancou quando os Baby Boomers foram os consumidores jovens nas décadas de 1950, 1960 e 1970 e as enormes oportunidades que isso representava. Hoje os profissionais de marketing devem reafirmar o seu compromisso com estes consumidores, porque as oportunidades continuam aí. O sexo, drogas e rock ‘n’ rol, apenas mudou para sexy, social e saudável mas ainda com muito rock ‘n’ rol, como se tem visto.